Terça-feira, 15 de Abril de 2008

O grau zero da violência

Lembro-me que, há três décadas atrás, sempre que os conteúdos violentos se extremavam, nas imagens televisivas, raramente transmitidas em directo, pois eram editadas, surgia quase sempre um(a) jornalista com o ar mais grave do mundo, recomendando às crianças, às pessoas mais sensíveis e impressionáveis, aos doentes cardíacos etc., que se abstivessem pura e simplesmente de as ver. O texto que também passava na vertical do écran, de baixo para cima, dizia o mesmo, num estilo bold, muito branco sob um fundo preto, numa televisão que também só se apresentava tristemente a preto e branco. Julgo que o efeito, em muitas pessoas, sempre foi o contrário. A minha mãe via-as entre os dedos, enquanto eu as mirava de olhos esbugalhados, arriscando muitas noites de insónias. Eram as touradas mal sucedidas, as brigas do hóquei sob o gelo (esse desporto tão distante), acidentes rodoviários e ferroviários brutais, crimes inusitados. A mudança que ocorreu desde então, até chegarmos aos dias de hoje, foi quantitativa e qualitativa.

A guerra, violência institucionalizada, passou a ser espectáculo com direito a interrupções televisivas para ser anunciada, tal como os corpos anónimos lançados em queda livre, para a morte, do alto das Twin Towers nova-iorquinas. Ou ainda os corpos de mulheres e crianças que se despedaçam regularmente nas ruas caóticas de Bagdad, ou Bassorá, entre explosões e chapa retorcida de automóveis e autocarros, que passaram a ser recorrentes e demasiado frequentes no troco que a administração americana, acto contínuo, exigiu. Estas imagens, e outras, que povoam diariamente o nosso espaço mediático, passaram a fazer parte de um reportório que se bestializa de forma crescente sem que, aparentemente, a humanidade pare para pensar. Tornaram-se rotina nos noticiários das oito enquanto meia humanidade continua calmamente a comer a sopa…como se nada fosse.

[Excerto da comunicação "When you are pushed, killing´s as easy as breathing”*- Cultura Visual, Violência e Cinema: Sobre a necessidade educativa de analisar criticamente as imagens da cinematografia contemporânea" a apresentar brevemente no Congresso Ibero-americano de Educação Artística, (ver Links/acontecimentos)]


publicado por ensinartes às 17:19
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 3 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Tupperware, tamanho XS

. Le tunisien

. Uma questão de força

. FMI ou FIM

. A Pedra

. A participante 43212

. Contas de sumir

. Yo, Mário Sepúlveda

. O nosso Haiti

. Travassos

.arquivos

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Outubro 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Yo, Mário Sepúlveda

.Ligações/links

.Contador de visitas

SAPO Blogs

.subscrever feeds