Sexta-feira, 13 de Junho de 2008

Ocre delirium

 

Às pequenas dimensões, dentro da relatividade do que é grande e pequeno, pertence a paisagem natural, a que nos circunscreve, na geometria variável da sensibilidade de cada um. Só é possível maravilharmo-nos com o que está à nossa volta se para tal formos sensibilizados, de preferência desde muito pequenos. Porque uma educação apenas virada para a superficialidade das coisas torna opaco o essencial.
Os olhares dos artistas visuais sobre a Terra, esse lugar que pisam e vivem, dissecam e qualitativamente analisam, em particular na sua dimensão micro, são fundamentais para uma espécie de “conhecimento sentido” daquilo que está à nossa volta. Sem este “conhecimento” não cognitivo, jamais poderemos amar verdadeiramente a terra em que vivemos (uns dizem que “de passagem”) a nossa experiência humana.
Assim, olhar para a nossa terra com os olhos bem abertos, todas as coisas nos parecerão maravilhosas, como disse um dia Ortega y Gasset. Parecer-nos-á maravilhoso o conjunto de verdes, dos mais secos verde azeitona e verde “cana seca”, aos mais saciados verde pinho e verde “quase” alface, que as generosas chuvas de Maio tornaram este ano possível.
Também nos parecerão maravilhosos o conjunto de amarelos ocre, mais secos, mais alaranjados ou mais avermelhados que o estio vai impondo por aí, no ciclo natural que comprova famosa a lei de Lavoisier.
Espero pelo dia em que sairá desta terra uma cor tão potente como a histórica “Terra de Siena” e se espraiará, docemente, por milhões de paletas e telas em todo o mundo. Nas dos pintores de domingo e até nas telas daqueles que se vestem de cinzento ou negro (invariavelmente), os verdadeiros artistas, os que se passeiam, circunspectos com a “Flash Art”, “Art in America” ou “ArtForum” debaixo do braço, sonhando com uma exposição em Nova Iorque.

publicado por ensinartes às 03:34
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De joão a 17 de Junho de 2008 às 00:43
“Porque uma educação apenas virada para a superficialidade das coisas torna opaco o essencial.”
Muito curiosa esta tua frase Leonardo Charréu. A mesma é interessante pelo conteúdo que possui, o que nos levaria a um serão bem passado a dissecá-la.
Mas também revela, o que se passa (há muito tempo) na educação deste país.
Obrigado por partilhares connosco a tua visão da nossa Terra.


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 3 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Tupperware, tamanho XS

. Le tunisien

. Uma questão de força

. FMI ou FIM

. A Pedra

. A participante 43212

. Contas de sumir

. Yo, Mário Sepúlveda

. O nosso Haiti

. Travassos

.arquivos

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Outubro 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Yo, Mário Sepúlveda

.Ligações/links

.Contador de visitas

SAPO Blogs

.subscrever feeds