Quinta-feira, 3 de Abril de 2008

Mirei-me "barroco"

Um voz deve ter um rosto, mas a maioria dos blogers refugia-se no anonimato visual

(acho bem!). Depois de muitas autofotografias, tiradas de bracinho bem esticado,

a Câmara Digital apontada para moi, com uma tela minha estratégicamente no fundo,

lá ecolhi uma que me desse um "ar" de "tipo muito esperto". Senti-me ligeiramente pateta nesse dia.

 

Mas um homem tem direito às suas horas de burro.Trabalhei a foto no photoshop

e pus um efeito espiralado no fundo, que mal se nota nos 40 k  da imagem, obrigatórios

de lei, nas regras draconianas deste patrão, o que torna as fotos liliputianas.

Hoje observei-me hedonisticamente no écran (bom..não é meu hábito) e achei-me uma personagem num quadro barroco de Tintoretto ou Veronese. Aquele dramatismo todo da pintura barroca,  tão cenográfica e.... tão artificial. E desatei a rir...juro. Parece-me saudável rirmo-nos de nós próprios, ainda que nos acusem de demência...ou outras coisas piores. 

 

Mas saibam os meus visitantes que estou de luto pela minha avó Jacinta Quitéria

("Abrasques" de alcunha, como é normal no universo rural). Uma amiga disse-me recentemente que quando vêmos partir o último dos avós, é que nos sentimos verdadeiramente sós no mundo. Acrescento ainda um sentimento enorme de responsabilidade...de estarmos à altura do nome, da memória e da enorme

dignidade dos velhinhos rurais, sempre tão sensatos, tão pacíficos, tão sábios,

mesmo sem saberem ler nem escrever, essas habilidades...do demónio.

Achamo-nos incapazes e frágeis ao vermos morrer um velhinho, por velhice, aquela

respiração aflita, ofegante, de gatinho atropelado...pelos muitos anos de vida.

E não podemos fazer nada.

Ali junto ao leito de morte dos nossos "antigos" é que temos a verdadeira noção

da nossa pequenez no mundo.

A minha avó Jacinta passou dos noventa, totalmente lúcidos, quase até ao fim.

Temos sempre um sentimento inexprimível das coisas que ficarão por dizer...

e do tempo malbaratado em coisas fúteis, quando os devíamos ouvir, com mais atenção.

Toda a atenção possível.

Mas a vida é mesmo assim, ironia e seriedade, alegria e tristeza, os opostos tocam-se

e, por vezes, atraem-se.

Da minha avó Jacinta irei recordar os olhos claros, lindos...e o carinho extremoso,

nas doses que me permitiram crescer, distribuidas igualmente por todos os seus netos, bisnetos...

e trinetos.

Reunir-nos-emos em luz, um dia....querida avó.

 


publicado por ensinartes às 23:54
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 3 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Mirei-me "barroco"

.arquivos

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Outubro 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Yo, Mário Sepúlveda

.Ligações/links

.Contador de visitas

SAPO Blogs

.subscrever feeds